Áreas de Intervenção

1
Linguagem
A linguagem é a capacidade de pensamento responsável pela intercomunicação humana, ou seja, a faculdade que permite a comunicação de um indivíduo com os demais numa determinada esfera contextual.
É um código social/sistema de convenções materializante de ideias sob a forma de símbolos arbitrários e regras que ditam a combinação destes e lhes conferem sentido.
Na complexidade da linguagem estão envolvidos princípios regentes de sons, palavras, frases, seus usos e significados. São tais normas que suportam a capacidade de um sujeito compreender a linguagem (compreensão linguística) e dela usufruir (produção linguística), conhecimento esse denominado de competência linguística (posse do saber necessário para ser utilizador de uma linguagem, mesmo não se conseguindo enunciar categoricamente as regras subjacente a essa linguagem).
A linguagem, faculdade própria do Homem se exprimir através de sinais vocais ou gráficos é o centro nevrálgico de ação da Terapia da Fala – Porto enquanto especialista terapeuta.
No seu perímetro acional estão igualmente incluídos os seus componentes intrínsecos: fonologia, morfologia, semântica, sintaxe e pragmática.
Uma anomalia da linguagem terá reflexos diretos (assim como indiretos) na capacidade de comunicação e, em determinadas situações, nos domínios do foro psicológico e comportamental.
Exemplos de perturbações da linguagem: perturbações da leitura e escrita; perturbações fonológicas; atraso do desenvolvimento da linguagem.
2
Fala
O sentido lato do termo “fala” define-o como o dom de expressão do pensamento pela palavra, a capacidade exclusiva de o ser humano falar como forma de comunicação.
Ao nível da atividade da Terapia da Fala – Porto esse entendimento engloba a articulação, fluência, ressonância, respiração e voz.
Exemplos de perturbações da fala: perturbações articulatórias; perturbações motoras da fala.
3
Voz
A voz é, de grosso modo, a integração fonética dos sons impulsionados pelo ar saído dos pulmões em direção à laringe e vocalizados pela vibração das cordas vocais auxiliadas pela ampliação modificada dos órgãos ressoadores. O cariz de importância da voz é, naturalmente, realçado no trabalho da Terapia da Fala – Porto, dada a probabilidade de perturbações relacionadas com a voz (disfonia) poderem afetar gravemente o ato de falar.
De entre as causas mais comuns destes bloqueios destacam-se as lesões neurológicas, incorreto uso e abuso vocal.
Importa sublinhar que a voz é um traço extremamente distintivo e cujo estudo possibilita a identificação da raça, sexo, idade e aspetos da personalidade bem como do estado emocional do seu falante.
Exemplos de perturbações na voz: disfonia.
4
Fluência
O seu significado refere-se à qualidade de estado ou condição de fluente, o que ao nível da terapia da fala se traduz na versatilidade de um discurso harmonioso, suave e coerente de origem natural sem necessidade de apelo ao esforço ou pensamento árduo para a exteriorização, através fala, de qualquer género de ideia.
Esta forma de articulação verbal caracterizada pela vocalização de fonemas (a consciência fonológica das vogais e consoantes, perceção integrante das competências de pré-literacia) em simultâneo com a movimentação coordenada de parte dos órgãos fonoarticulatórios (lábios, língua, dentes, dentição, mandíbula e músculos da face) é vital na produção da fala.
Uma perturbação na fluência como, por exemplo, a gaguez, provocará atrofiamento da vocalização do discurso e a sua possível inteligibilidade.
Exemplos de perturbações na fluência: gaguez.
5
Motricidade Orofacial
Dedicada ao estudo aprofundado dos ramos da sensibilidade e movimentação orofacial, a motricidade orofacial (ou o ramo da sensibilidade orofacial) é uma extensa área da terapia da fala que se dedica à investigação, prevenção, avaliação, diagnóstico e tratamento das modificações ocorridas na zona da boca (oro), cara (facial) e pescoço.
O objetivo desta ampla abordagem é compreender integralmente o processo de movimentação e funcionalidade facial com implicações diretas e indiretas no ato de falar.
Os problemas mais frequentes na base de modificações da motricidade orofacial acontecem sobretudo nas ações da fala, deglutição, mastigação, respiração e sucção.
Independente ou conjuntamente, alterações a estes níveis poderão criar ou agravar bloqueios de comunicação.
Exemplos de perturbações de deglutição e mastigação: doenças infeciosas e doenças do sistema nervoso central.